sábado, 7 de maio de 2011

Pinheiro defende o VLT como solução para o transporte público de Salvador


O senador Walter Pinheiro (PT-BA) voltou a defender hoje (05/05), em pronunciamento da tribuna, a implantação do sistema VLT (veículos leves sobre trilhos) como solução para o problema de transporte público em Salvador. O senador cobrou, também, a conclusão dos 12 quilômetros do metrô da capital baiana, cujas obras se arrastam há dez anos.
Pinheiro fez a defesa do VLT diante de mais um sofrimento da população soteropolitana enfrentado esta semana, quando ficou inesperadamente sem transporte público diante das paralisações relâmpago dos rodoviários em campanha por melhores salários e condições de trabalho, como redução em uma hora da jornada diária e folgas nos fins de semana.
Segundo Pinheiro, o transporte público de Salvador não ficará melhor nem pior com o final do movimento. “Apenas devolverá aos usuários a rotina de atrasos de uma frota envelhecida, sem segurança ou qualquer conforto para os passageiros que por esse serviço pagam uma tarifa elevada”, acrescentou.
O senador defendeu o aproveitamento da janela aberta com a Copa do Mundo de 2014, que terá em Salvador uma das cidades-sede, para se consolidar uma melhoria do transporte público para além do evento. “A copa de 2014 vai durar um mês, e quando ela passar a população soteropolitana continuará usando o sistema de transporte implantado para corrigir a ineficiência dos ônibus”, disse.
Ele também criticou a situação da frota de ônibus de Salvador, com 2.457 veículos com quase cinco anos de uso. “Nesse período de tempo, os usuários de transporte individual, que sofre desgaste muito menor, geralmente já têm substituído os seus carros pelo menos uma vez”, comparou.
Pinheiro disse que Salvador reclama uma revolução no seu sistema de transporte público, como a ocorrida na virada do século XX, quando foram instalados os primeiros veículos sobre trilhos na Bahia, inicialmente puxados a burros e depois eletrificados. “Passados mais de cem anos dessa experiência, os veículos sobre trilhos voltam a se apresentar como solução para o transporte público não apenas de Salvador, mas também de toda a sua Região Metropolitana”, disse.
“O VLT vai promover o reencontro do sistema de transporte público de Salvador com as suas origens, completou Pinheiro, advertindo que para a implantação desse sistema, será preciso vencer o lobby dos que defendem o sistema BRT, sigla em inglês para ônibus rápido no trânsito, que não passa da utilização de ônibus em corredores exclusivos.
Depois de lembrar que Estado abriu quarta-feira as propostas apresentadas por diversas empresas para o sistema de transporte para a Copa, Pinheiro insistiu: “Talvez 60 mil pessoas em Salvador se desloquem para assistir aos jogos na nova Fonte Nova, mas Salvador precisa de um transporte que enxergue os mais de 600 mil soteropolitanos que precisam se locomover todos os dias”.
Ele quer que a escolha recaia sobre um projeto que possa entregar a Salvador, à região metropolitana, um sistema de transporte eficiente. “Esse sistema tem que ser sobre o trilho, que integre o sistema atual e que possa verdadeiramente solucionar os graves problemas da nossa cidade”.

Porque eles querem impedir Salvador de “entrar nos trilhos” certos?

          Seja o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), seja o metrô ou o monotrilho – que também será implantado na cidade de São Paulo até a Copa do Brasil – parece já ser consenso a todos aqueles que participam das inúmeras discussões na busca por um transporte público e sistema de mobilidade urbana eficiente e de qualidade em Salvador que a melhor opção está mesmo nos transporte baseado em trilhos. Contudo, somente parece. Mais uma vez os interesses escusos do “lobby” empresarial e setores dirigentes do transporte público inter e intra-municipal de Salvador e região metropolitana tentam sobrepor-se aos argumentos lógicos de eficiência, viabilidade, economia custo/benefício, sustentabilidade ambiental e longo prazo de durabilidade apresentados.

 O Ministério das Cidades está investindo em Salvador R$ 570 milhões, via PAC Copa, mais R$ 2,4 bilhões do PAC da Mobilidade Urbana, além de ajudar com recursos na intervenção de estádios, rede hoteleira, aeroportos e portos, tudo visando à Copa do Mundo de 2014. Na área de mobilidade urbana, o governo do Estado vai entrar com contrapartida de R$ 195 milhões, informou o chefe de gabinete da Secretária de Desenvolvimento Urbano (SEDUR), Eduardo Coppelo.

Sete propostas de sistema modais foram apresentadas ao governo do Estado da Bahia, por consórcios e grupos empresariais imobiliários diversos. A escolha será feita por uma Fundação da UFRJ, a Coordenação de Projetos, Pesquisas e Estudos Tecnológicos – COPPETEC. Diversos parlamentares estaduais e municipais, a maioria deles ressalta-se, são a favor da implantação de veículos sobre trilhos na capital baiana, seja ele metrô, VLT ou monotrilho. No entanto, parece que nem a maioria parlamentar aparente, nem a opinião da sociedade civil soteropolitana, nem a opinião do governo do Estado parece ter influência sobre o prefeito e as empresas que gerem o transporte público metropolitano.

A instância administrativa municipal interfere diretamente no processo porque, apesar do fato que o financiamento será feito principalmente pela união e por meio de parceria público-privada (PPP), a prefeitura, que detém o controle do uso e ordenamento do solo municipal, precisa aprovar a decisão final. Toda a querela em torno da briga entre BRT (Bus Rapid Transport) e os veículos de trilhos explica-se por esse motivo.

O que resta ao final de todo esse quadro caótico, no qual vemos mais uma vez que os interesses econômicos privados querem colocar-se mais importantes que o interesse público dos cidadãos e da sociedade em geral, é a população civil interferir ativamente na decisão. Movimentos da sociedade civil organizada, como o que organiza a Petição Pública “Eu quero VLT em Salvador”, agem exatamente neste sentido. Para que mais uma vez, assim como ocorrera ao longo dos mais de 11 anos de construção do metrô de Salvador, o dinheiro do contribuinte não seja desperdiçado em superfaturamentos ilícitos ou obras fraudulentas e à população não reste apenas a passividade, assistindo a corrupção frear o desenvolvimento do Estado e do município de maneira tão peremptória e vergonhosa.                                                                                                                                                    

                                                                                                                                                Paulo Pereira [Movimento “Eu quero VLT em Salvador”]
 (Mestre em Lingüística, graduado em Letras e graduando em Jornalismo pela UFBA)

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Ministério das Cidades está investindo na mobilidade urbana

         O Ministério das Cidades está investindo em Salvador R$ 570 milhões, via PAC Copa, mais R$ 2,4 bi, do PAC da Mobilidade Urbana, além de ajudar com recursos na intervenção de estádios, rede hoteleira, aeroportos e portos, tudo visando à Copa do Mundo de 2014. Na área de mobilidade urbana, o governo do Estado vai entrar com contrapartida de R$ 195 milhões, informou o chefe de gabinete da Sedur, Eduardo Coppelo - mas ele não descarta ajuda da iniciativa privada, a depender da proposta selecionada via proposta de manifestação de interesse (PMI).

         "Enquanto a matriz de responsabilidade prevê somente a execução de uma linha, a PMI define a estruturação de uma modelagem que vai até a gestão operacional, inclusive considerando um processo de concessão", aponta Coppelo, revelando uma carta na manga para viabilizar um metrô na avenida Paralela.O modelo é o de parceria público-privada (PPP): além de contar com injeção de recursos privados, a construção poderia ficar muito mais ágil.

Fonte: Jornal A Tarde, 5 de maio de 2011, página A8.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Seminário Mobilidade em Debate na Assembléia Legislativa

            O debate sobre mobilidade urbana na Assembléia Legislativa foi muito intenso. Os defensores do BRT compareceram em massa, levaram até três ônibus de pessoas de um mesmo bairro sendo que algumas delas não estavam muito interessadas no debate mas aplaudiam quando ouviam a palavra BRT. Utilizaram intensamente a argumentação da urgência para a implementação do corredor de ônibus em decorrência da copa de 2014, principal justificativa para a instalação de um sistema que não condiz com a necessidade da cidade de Salvador. Disse o deputado federal Nelson Pelegrino, defensor do corredor de ônibus: "se o BRT atender à cidade de Salvador por 10 anos ele estaria satisfeito com a escolha".  Concluímos que com este  pensamento de quem não consegue enxergar um palmo além da copa de 2014 todo o dinheiro que seria gasto com o BRT seria perdido em dez anos, quando a cidade teria obrigatoriamente de fazer um novo investimento em metrô.


             A prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho, iniciou a sua explanação reconhecendo a importância do transporte sobre trilhos ao fazer menção ao transporte ferroviário e abordou também o projeto da cidade bicicleta com a construção de ciclovias em Salvador e Lauro de Freitas. Disse que o importante é fazer algo em termos de mobilidade urbana para a copa de 2014 mas que a copa passa e nós precisamos deixar um legado importante para a cidade. Mas terminou dizendo que entre BRT e VLT o que importa é que a solução seja para já. Concordamos com a prefeita por entender a necessidade urgente de se fazer algo pelo caos em que nos encontramos, mas ressaltamos que o transporte sobre trilhos (Metrô, VLT ou Trem) é um modelo mais moderno, consistente, integrado, limpo, confortável, permanente e que poderá oferecer um preço de passagem mais barato.  


             A respeito das notícias divulgadas na imprensa quanto à decisão pelo BRT ouviu-se do Sr. Valença, da Secretaria de Planejamento do Estado da Bahia, que ainda não há nada definido quanto ao modelo de transporte a ser adotado e que a decisão será obtida com o resultado da PMI em andamento. Entendemos que tudo isso que foi falado de que a decisão já está tomada faz parte da estratégia da prefeitura, de políticos que não enxergam um palmo além da copa de 2014  e do sindicato dos empresários de ônibus - usando até ministro - para tentar calar a população quanto ao seu desejo de ter o transporte sobre trilhos (Metrô de superfície ou VLT).


           Segundo a professora Ilse Marília Freitas, da escola politécnica da UFBA e especialista em transporte e mobilidade, todo este debate agora tem sido muito importante para demonstrar que a sociedade está atenta à questão da mobilidade urbana e o que aconteceu com o Metrô de Salvador foi em decorrência da omissão da sociedade baiana quanto à fiscalização e acompanhamento da obra do Metrô, mas que agora tudo está diferente. 


           Já o professor Paulo Ormindo deixou bastante evidente o momento importante de decisão por qual estamos passando, ou seja, o modelo de transporte que for escolhido agora será definitivo para a cidade. Se escolhido o modelo sobre trilhos poderemos avançar de VLT para Metrô, mas se o sistema de corredor de ônibus (BRT) for o escolhido estaremos sempre dependente do ônibus e dificilmente haverá possibilidade de parar a cidade um dia para construir um sistema sobre trilhos. 


video


Assine o manifesto de apoio ao transporte sobre trilhos (Metrô/VLT).

quarta-feira, 4 de maio de 2011

O planejamento da mobilidade urbana não pode estar limitado à Copa de 2014

A Seplan anuncia que projetos empresariais para a mobilidade urbana de Salvador já foram abertos e deverão ser selecionados pelos técnicos do governo, aspectos voltados para o sistema de transporte de massa a ser implantado em Salvador, visando a Copa do Mundo 2014. De repente, um assunto antigo e que sempre foi vital para a cidade, passou a ter uma data, junho de 2014, para tentar se resolver um atraso de decênios.

Claro que se a Seplan for analisar o que se passa em qualquer cidade grande do mundo, a mobilidade de massa se opera através do sistema metroviário. Não precisa ir muito longe para se verificar isso, pois, Portugal e Espanha estão mais próximos de Salvador, por avião, do que da Rodoviária a Barreiras. Quem salta no Le Prats, de Barcelona, pega o metrô e vai até o centro da cidade e, daí, em interseções com o mesmo bilhete para linhas norte/sul ou leste/oeste.

Salvador não pode fugir a essa regra mundial e adotar um Bus-Rapid, modelo que é complementar e não principal, para fazer sua linha mãe do Metrosal que é Centro/Acesso Norte/Cajazeiras; e na outra perna, Centro/Acesso Norte/Iguatemi/Aeroporto/Lauro de Freitas/Camaçari. 

Também não há essa exigência para que o Metrosal na linha do Litoral Norte fique pronto em 2014, para a Copa do Mundo. Não há a menor necessidade disso. Desde os anos 1997, que Salvador promove o maior Carnaval de rua do planeta, milhares de turistas chegam pelo aeroporto, e tudo se resolve. Os turistas que chegam via aeroporto, 95% tomam um táxi. 

Nenhum grupo paulistano ou mineiro chega no aeroporto para o Carnaval e pega um ônibus para o centro, porque além de ser desconfortável, não ter áreas para colocar bagagens, e os camaradas estão sujeitos a serem assaltados. Quase todo mundo usa táxi. Os nativos de Salvador e familiares, idem-idem. E olhem que o Carnaval é dez vezes maior do que a Copa 2014.

Então, para a Copa das Confederações (2013) e a Copa do Mundo (2014) se não tiver Metrosal tudo será resolvido via táxi, como é hoje. Portanto, esse alarme que se faz por aí não tem o menor sentido. 

O que o governo do Estado, que já tem autorização da Assembleia para tomar um empréstimo de R$570 milhões, é errar agora e pagar um preço alto depois. A Paralela está virgem em seu canteiro central e só está com a boca aberta esperando o metrô ou VLT.
Fonte: http://www.bahiaja.com.br/noticia.php?idNoticia=35843

terça-feira, 3 de maio de 2011

Abertura dos envelopes com as propostas do PMI

Foram abertos nesta terça-feira (3) os envelopes com as propostas apresentadas por sete empresas contendo os estudos e projetos preliminares solicitados pelo Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) para o desenvolvimento do Sistema de Mobilidade Urbana da Região Metropolitana de Salvador.

O prazo para a entrega dos estudos finais é 30 deste mês e vai abordar a tecnologia a ser implantada (Metrô, VLT ou BRT) e a forma de gestão do sistema, pública, privada ou por meio de Parceria Público-Privada (PPP). Os documentos serão analisados pelo Grupo de Trabalho Executivo, formado pelas secretarias do Planejamento, da Fazenda (Sefaz) e de Desenvolvimento Urbano (Sedur), pela Casa Civil e pela Procuradoria Geral do Estado (PGE).

O assessor especial da Seplan, Antônio Alberto Valença, que presidiu a cerimônia de abertura dos envelopes, afirmou que o PMI pode, inclusive, compor um projeto próprio, utilizando elementos de cada uma das propostas apresentadas. “A discussão sobre a tecnologia adequada levou a esse procedimento para se aprofundar e analisar os projetos”.

Segundo Valença, uma consulta dessa natureza foi orientação do governador Jaques Wagner. “Não há preferência por nenhuma tecnologia. A escolha será daquela que melhor atender a população”.

Para o secretário Zezéu Ribeiro (Seplan), o Sistema de Mobilidade Urbana da Região Metropolitana de Salvador não pode se esgotar em um só evento, como a Copa do Mundo. Precisa atender a população no seu dia-a-dia. “O que interessa é que o cidadão saia de casa e chegue ao trabalho pagando uma tarifa única, com o maior conforto e no menor tempo possível”.

Zezéu disse que uma das condicionantes das propostas é a articulação com o metrô. “A proposta que não apresentar essa característica estará eliminada”. O secretário declarou que o projeto vai atender primeiramente os municípios de Salvador e Lauro de Freitas e depois será estendido para outras cidades da RMS.

Demonstre o seu apoio ao transporte sobre trilhos (Metrô ou VLT), assine aqui o manifesto.

Fonte: http://economiabaiana.com.br/

Salvador está parada.

A cidade de Salvador vive o caos! Este é o resultado de uma cidade que tem o ônibus e o carro particular como principais meios de locomoção.

A greve dos motoristas de ônibus é apenas um algo mais diante dos grandes problemas de mobilidade urbana que a cidade vive. Segundo o sindicato da categoria, os ônibus de 10 das 18 empresas de transporte urbano só começaram a circular a partir das 8h. “Entregamos a pauta há 30 dias, houve cinco rodadas de negociação e os patrões não colocaram nenhuma oferta na mesa”, afirmou Francisco Costa, diretor de imprensa do Sindicato dos rodoviários. O sindicato promete novas paralisações parciais durante a semana."

 A solução para este caos não é investir em mais pistas para carros, não é ter mais ônibus na cidade - já que as pessoas que andam de carro não o trocarão por um ônibus, não é fazendo pista exclusiva de ônibus. A solução é investir principalmente em transporte sobre trilhos: Metrô, VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) ou trem.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Meu Palco: Afinal, qual a diferença entre VLT e BRT?

Em Salvador (BA) há dezessete empresários e doze políticos, também, lá como cá (Cuiabá), interessados no sistema BRT, arcabouço do caos, de gastos e de politicagens em troca de votos. Em Bogotá há noventa e três donzelas que vivem subindo nas paredes, rezando e torcendo para que o BRT continue existindo por lá.

Querem saber por que? Por causa do amassa-amassa. Homens e mulheres com desvios interessantes, adoram ficar passeando em pé nos ônibus e BRTs da vida, lá na Colômbia, apenas para sentirem o cheiro de suor, das lanternas nos bolsos, do pega-pega, mão naquilo, aquilo na mão, aquilo naquilo, até a missão cumprida.

São solteiras solitárias, homens com fraturas expostas no cérebro que após o dia estafante e "compensador", vão para casa dormir o sono dos tarados. Dizem que há outros lugares, fora de Bogotá - Colômbia que, talvez, aconteça isso também.

Sem falarmos sobre os motoristas que no ziguezague de seus malabarismos etílicos, bêbados como gambás, promovem esses acidentes que vemos nos telejornais da vida.
Tais espécimens são geralmente figuras interessantes. As mulheres desse tipo, geralmente são solteiras ou viúvas desesperadas, acima dos 30 anos, gatanhando as paredes até o teto, sem filhos, sem maridos, sem namorados e... Atenção... Magras!

Os homens são de todas as idades, bêbados, barbudos, não tomam banhos, solitários, sem família, calmos que parecem santos, pervertidos na essência, tarados na realidade e... Atenção... Magros!

Ora, se o governo de lá tentar mudar tal esquema do desespero, desses BRTs que apenas mudam a cor e o combustível dessas palhaçadas de ônibus privados que saciam essas taras, há uma gritaria geral dessas donzelas desesperadas e desses homens tarados. Dupla infernal que alimentam os esquemas dos políticos. Um não vive sem o outro. Donzelas titias, solteiras ou sozinhas Homens degenerados e desequilibrados. Políticos astutos que vivem como urubus dos restos mortais desses anormais. Assim se fecha tal círculo onde quem sofre mais é o povo e os cofres da nação colombiana.

Salvador (BA) está escolhendo, também, seu modo de transporte urbano. A pressão lá, também é enorme. Mas, o povo sabe o que é uma coisa e outra, a diferença real entre VLT e BRT ? Ressaltando que há outros modos de transporte urbano que são bem melhores... Porém, muito mais caros.

Fonte: http://www.meupalco.com.br/2011/05/afinal-qual-diferenca-entre-vlt-e-brt.html

Assine o manifesto de apoio ao VLT

Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil apóia o VLT

O movimento "Eu quero VLT em Salvador" recebeu o apoio do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil por reconhecer que a questão da mobilidade urbana também é um problema a ser debatido e patrocinado pelas instâncias de relações de trabalho, tanto das empresas quanto dos empregados.

Assine agora o manifesto em favor do transporte sobre trilhos.

domingo, 1 de maio de 2011

Falta de planejamento inviabiliza soluções sustentáveis para a cidade

Audiência pública realizada na sexta-feira, dia 29/4,  pela Comissão de Planejamento Urbano e Meio Ambiente da Câmara Municipal de Salvador que evidenciou a inexistência de planejamento urbano de natureza pública, os projetos para a Copa 2014 e os problemas de mobilidade de Salvador e região metropolitana foram os temas que dominaram os debates. Veja mais...

A mobilidade urbana nunca foi tão debatida quanto agora

           Ainda não chegamos ao fundo do poço: amanhã cem novos carros serão emplacados na cidade de Salvador, os ônibus estarão mais cheios do que na semana passada e um planejamento eficaz das linhas de transporte coletivo continuará na gaveta da prefeitura. Mas uma luz de esperança está se acendendo nesta escuridão: nunca o tema de mobilidade urbana foi tão debatido nesta cidade quanto agora. 

           Nos últimos dias o tema mobilidade urbana tem sido objeto de debates na Faculdade de Arquitetura da UFBA, no Crea, na Câmara de Vereadores, em Seminário realizado pelo Partido Verde e no dia 5 de maio haverá um Seminário na Assembléia Legislativa da Bahia. Ótimo, assim a sociedade pode participar e contribuir para a melhoria da mobilidade urbana e saber quem apóia um sistema mais evoluído ou deseja perpetuar o passado. 

          Destaca-se a participação da sociedade organizada que cobra do município a adoção da bicicleta como meio de transporte ecológico e de inclusão social, lembrando que muitas pessoas não utilizam transporte coletivo por impossibilidade de poder pagar. 

Durante o Seminário Mobilidade Urbana: Transporte, Trânsito e Sustentabilidade realizado pelo Partido Verde da capital na tarde do último sábado, 30 de abril, entregou-se o Manifesto Massa Crítica Salvador, com propostas de ações para melhorar a mobilidade dentro de Salvador, tendo como foco especial os modais bicicleta e pedestres. André Fraga, presidente municipal do PV,  declarou que as propostas contidas no manifesto integrarão o programa do PV para a cidade e convidou os membros do movimento a se integrarem a essa construção.
Também marcou presença no evento do PV o representante do Movimento Nossa Salvador, que integra a Rede de Cidades Sustentáveis, Pablo Florentino. Ele aproveitou o evento para solicitar ao superintendente do SETPS que reforce a formação dos motoristas de coletivos em Salvador, no sentido de promover uma maior integração com os ciclistas na cidade.
 Estiveram presentes ainda ao evento o presidente da Associação dos Bicicleteiros da Bahia, Gilson Cunha, o presidente do Instituto dos Arquitetos da Bahia, Daniel Colina, o arquiteto e urbanista Lourenço Mueller, o conselheiro de Juventude da Bahia, Marcelo Tourinho, membros do Movimento Massa Critica Salvador e do Movimento Eu Quero VLT em Salvador, além de militantes, filiados e simpatizantes do Partido Verde.
          O movimento "Eu quero VLT em Salvador" está participando destes eventos e defende a adoção do transporte sobre trilhos (Metrô, VLT - Veículo Leve sobre Trilhos, e Trem) como principal meio de transporte coletivo, além do fomento à utilização da bicicleta, passarelas e respeito ao pedestre. Apóie esta causa, assine o manifesto.